Pagando Bem, Que Mal Tem?

February 16, 2011 in Home Video

Embora Seth Rogen possua um carisma que transforma as piadas de sua boca, por mais insossas que sejam, como a coisa mais divertida do mundo, o fato é que “Pagando Bem” mal consegue se segurar em sua narrativa confusa e embaraçosa.

Dirigido e escrito por Kevin Smith, que se saiu muito melhor em Dogma, o filme parte da fraca premissa que o par de amigos (não são namorados) que moram juntos, Zack e Miri, quando se veem com problemas financeiros que culminam no corte de água e eletricidade do seu lar, logo decidem que a melhor maneira de arrecadar mais dinheiro e, quem sabe, se tornarem ricos e famosos, é produzir um filme pornô, em que eles mesmo participem “atuando”.

Isso não seria tão estranho para uma comédia escrachada que se supõe ser esta, mas se torna um problema a partir do momento que o filme tenta se levar a sério e desenvolver a relação dos dois a partir de uma atração oculta que os amigos tinham entre si por todos esses anos (se conheceram no colégio), e que se revela ao terem que interpretar uma cena de sexo real.

Ponto forte: Os diálogos de Seth Rogen no início são hilárias.

Ponto fraco: O roteiro se perde em devaneios que não tem nada a ver com o núcleo da história.