A Serbian Film

July 31, 2011 in Home Video

Srpski film. Sérvia, 2011. Direção: Srdjan Spasojevic. Roteiro: Aleksandar Radivojevic e Srdjan Spasojevic. Elenco: Srdjan Todorovic (Milos), Sergej Trifunovic (Vukmir) e Jelena Gavrilovic (Marija).

Segundo um relatório sobre a Guerra da Bósnia feito pela Agência Central de Inteligência americana, 90% dos crimes de guerra foram cometidos pelos sérvios. Em uma região conturbada política e religiosamente por mais de um século, o povo sérvio se acostumou a um ambiente instável. A grande questão é como isso afeta a moral dessas pessoas.

A história de A Serbian Film gira em torno de Milos, que desde sua apresentação já se revela um ator pornô que não se envergonha do que faz, pois não se incomoda, por exemplo, que seu filho, ainda criança, assista aos seus trabalhos. Aliás, a própria dinâmica entre Milos, sua família e sua colega de trabalho já seria por si só um material revelador da personalidade do protagonista e do ambiente onde ele está inserido, pois, em situações onde normalmente ficaríamos constrangidos, o mesmo não acontece com nenhum dos personagens do filme.

Mesmo com a percepção moral já racionalizada na visão de Milos, porém, como que a elevar essa distorção da realidade a um próximo nível, eis que surge em cena Vukmir, um produtor/diretor que valoriza tanto os filmes pornográficos que faz que chega a chamá-los de pura arte. No conceito revelador de Vukmir, a princípio, não existem diferenças entre os filmes desse gênero e a própria vida, principalmente com a vida do povo servo e sua situação atual, situação essa evocada muitas vezes por Vukmir, como que a justificar a moral existente entre as pessoas através da situação que é vivida em uma esfera social maior.

Dentro desse ponto de vista, Vukmir considera Milos o expoente máximo dentro dessa arte que, literalmente, e com o perdão da palavra, fode as mulheres com um instinto animal. Disposto a realizar sua obra-prima usando Milos como protagonista, paga a este uma quantia exorbitante para que este participe da produção sem conhecer os pormenores do seu projeto.

E não por coincidência, o trabalho do diretor iniciante Srdjan Spasojevic carrega a nacionalidade de sua obra já no título, o que já traz uma dica importante sobre o que o filme tenta nos transmitir em sua controversa história. Chega a ser uma provocação, aliás, pois ao constatarmos a sua gravidade, o que sobra é apenas o título, como um triste reflexo de uma realidade que o mundo fora da Sérvia, muitas vezes, preferiu ignorar.